Corinthians – Maior campeão da história do Pacaembu [Parte 2]

Saudações corinthianas!

Conforme mencionado no post anterior, este é o primeiro post da série que detalhará todos os 34 títulos do Corinthians no Pacaembu com foco nas 11 conquistas concentradas na década de 40, caracterizando que assim que inaugurado o estádio do Pacaembu, o Corinthians passou a concentrar seus jogos no novo palco, visto que seu estádio próprio, o estádio do Parque São Jorge (Alfredo Schürig), carinhosamente apelidado de “Fazendinha”, não conseguia comportar o público, o que anos depois com o surgimento do estádio do Morumbi, passou a acontecer com o Pacaembu que também não conseguia mais comportar o público em jogos do Sport Club Corinthians Paulista.

1941 – Torneio Início

Mantendo-se a tradicional característica de apresentar ao público as equipes que disputarão o Campeonato Paulista de 1941 o Corinthians sagrou-se campeão do Torneio Início pela sétima vez, sendo esta, a primeira no estádio do Pacaembu.
Disputado no Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) o sistema da já tradicional competição foi realizada por 10 equipes em partidas eliminatórias de menor duração, todas em um mesmo dia, até que se definisse um campeão. Esse título foi comemorado em um ano em que o Corinthians também venceu o Campeonato Paulista.

1941 – Taça de Campeões Rio-São Paulo

Competição oficial e amistosa de futebol que envolvia os campeões estaduais do Rio de Janeiro e de São Paulo. O Corinthians (Campeão Paulista) derrotou o Fluminense (Campeão Carioca) por 5 x 2 depois de estar perdendo por 2 x 0.

1941 – Taça Duque de Caxias

Corinthians vs. Palestra Itália, no Estádio Municipal do Pacaembu, disputaram a rica taça “Duque de Caxias”.

Este troféu foi instituído pelo prefeito municipal da capital, Sr. Prestes Maia, sendo de posse definitiva.
A renda total da partida foi destinada a auxiliar na construção de um monumento em memória do Duque de Caxias, o maior vulto das armas brasileiras que por seus grandes feitos, impõe-se à admiração e ao respeito de todos os brasileiros.

Na primeira partida disputada em 21 de julho de 1940, o dérbi paulista terminou empatado em 1×1.

Na partida decisiva disputada em 12/03/1941 o Corinthians venceu o rival alviverde por 2×1 e levou a taça para o Parque São Jorge.

1942 – Troféu Quinela de Ouro

O Torneio “Quinela de Ouro”, “Quina de Ases” ou ainda “Taça Supremacia”, como também foi chamado, foi na verdade a competição que originou o que se consolidaria futuramente como sendo o tradicional “Torneio Rio-São Paulo”.

A competição também reuniu São Paulo, Palestra de São Paulo, Flamengo e Fluminense. Todos jogaram contra todos, em turno único, e o time alvinegro foi campeão invicto.

Esta foi a primeira conquista do Corinthians sobre o Palmeiras no Pacaembu, que na verdade na época adotou o nome de Palestra de São Paulo em virtude de exigências do governo brasileiro que vivia o regime ditatorial liderado por Getúlio Vargas através do Estado Novo que vigorou até 29 de outubro de 1945 num contexto de pós-guerra (Segunda Guerra Mundial encerrada em 2 de setembro de 1945).

Neste contexto militarista após o Brasil se integrar à Aliança e declarar guerra contra o Eixo (Alemanha, Itália e Japão), pela primeira vez na história da instituição, em 27 de março de 1942, o Palestra perdeu o “Itália” de seu nome e tornou-se Palestra de São Paulo. Posteriormente, foi “obrigado” a se alinhar às exigências do governo brasileiro que não permitia que houvesse qualquer alusão aos inimigos do Eixo e no dia 14 de setembro de 1942, agora pela segunda vez, o rival alviverde do Corinthians modificou seu nome e passou a se chamar Sociedade Esportiva Palmeiras.

Na decisão do Quinela de Ouro, em 28 de março de 1942, o Corinthians comandado pelo técnico Rato venceu o arquirrival alviverde por 4 a 1, com grande atuação de Teleco.

Pelo caráter decisivo deste dérbi paulista, a vitória corintiana revivificou a partida decisiva que resultou no campeonato paulista de 1929 também vencido pelo Corinthians por 4×1 contra o Palestra Itália em pleno Parque Antártica, estádio este, oficialmente palestrino desde 27 de abril de 1920. A goleada que garantiu o bicampeonato paulista ao Timão, no ano seguinte, resultaria em seu segundo tricampeonato paulista de sua história 1928/29/30.

O Estado Novo (1937 – 1945) que foi um regime político ditatorial brasileiro fundado e liderado por Getúlio Vargas também tem ligação com o Corinthians, pois em 1937, Getúlio Vargas baixou o Estado Novo e fez uma cerimônia pública no Rio de Janeiro aonde realizou a queima das bandeiras de todos os estados, pois queria um governo forte e unido.

Dali para frente a bandeira paulista sobrevivia somente em um único lugar. Dentro do escudo do Sport Club Corinthians Paulista.

 1942 – Taça Manoel Domingos Corrêa

Os três grandes clubes de São Paulo mobilizaram-se em favor da IV Páscoa dos Esportistas.

Como atual campeão paulista em virtude do título estadual de 1941, o Corinthians aguardava para enfrentar, o vencedor do jogo Palestra vs. São Paulo (o primeiro da noite).

No embate final o “Campeão do Centenário” (título honorífico do Centenário da Independência do Brasil em 1922) goleou por 4 a 1 o Palestra de São Paulo, e ficou de posse da Taça Manoel Domingos Corrêa.

Na noite filantrópica de 27 de maio de 1942, este dérbi paulista decisivo, além de agradar ao público presente no Pacaembu teve toda a sua renda apurada revertida em favor da IV Páscoa dos Esportistas, motivo por si só, justo e digno.

1942 – Taça Cidade de São Paulo

Primeira disputa do torneio anual que consistia em um triangular envolvendo os três primeiros colocados do Campeonato Paulista do ano anterior. O sistema de jogo consistia no formato de disputa de todos contra todos em turno único, sendo todas as partidas disputadas no Pacaembu. Após três rodadas, a equipe com mais pontos ganhos seria a campeã e o time que vencesse a disputa cinco vezes ficaria com a taça definitivamente.

A partida decisiva do triangular, disputada em 15 de julho de 1942, vencida pelo Corinthians após aplicar a goleada por 4×2 sobre o Palestra de São Paulo (que em março, por questões políticas, acatou a exigência do governo e modificou o antigo nome Palestra Itália), proporcionou a conquista do título ao Timão.

Este jogo também ficou marcado por ser o último do Corinthians contra seu tradicional rival, que a partir de 14 de setembro passou a adotar o nome de S.E. Palmeiras, iniciando sua história em dérbis paulistas sendo derrotado pelo Corinthians com o placar de 3×1 em 4 de outubro de 1942.

Vale ressaltar que o ano de 1942 possui caráter especial na história do Dérbi Paulista, e este detalhamento pode ser observado no post “1942 – O Ano do Massacre Corintiano contra o Palmeiras”.

1943 – Taça Cidade de São Paulo

Seguindo o modelo do ano anterior, o Corinthians que foi o campeão da primeira Taça Cidade de São Paulo, em 1942, também venceu a segunda edição do torneio, em 1943.

Após vitória na primeira partida na competição contra o São Paulo por 3×2, e em virtude do empate em 2×2 no Choque-Rei, a última rodada seria uma verdadeira decisão entre Corinthians e Palmeiras que entraram em campo sabendo que quem vencesse ficaria com a taça.

E aconteceu exatamente como no ano anterior: Corinthians bicampeão vencendo seu maior rival por 3×1 no dia 1º de julho de 1943.

1944 – Torneio Início

Uma semana antes do início do Campeonato Paulista de 1944, foi organizada no Pacaembu mais uma edição do Torneio Início que consistia em jogos eliminatórios de menor duração disputados no mesmo dia até a definição do campeão.

No primeiro confronto o Corinthians empatou em 0x0 contra a Portuguesa, porém pelo critério de desempate que era o número de escanteios, o Corinthians levou a vantagem em 2×1. Na rodada seguinte em 12 de março de 1944 venceu o rival Palmeiras por 1×0 e na partida final, contra o Ipiranga o empate por 2×2 exigiu novamente o desempate nos escanteios, critério no qual o Corinthians outra vez levou a melhor por 4×3.

Este foi o oitavo e penúltimo título do Torneio Início de sua história.

1947 – Taça Cidade de São Paulo

Participaram desta edição, como de costume, os três primeiros colocados do Campeonato Paulista do ano anterior: Corinthians, São Paulo e Portuguesa. Na estreia no dia 13 de abril, o Corinthians foi duramente goleado pela Portuguesa por 5×0. Na sequência, em 16 de abril, o Corinthians se recuperou, inclusive repassando a goleada para o São Paulo que foi derrotado por 5×1, de virada. Porém como o São Paulo venceu a Portuguesa na rodada seguinte o Corinthians manteve-se vivo na disputa do título.

O empate entre os clubes propiciou algo inédito até então, foi estipulado um returno, algo que jamais havia acontecido na história da competição.

Desta vez, o Corinthians não deu chances aos adversários: Nova vitória por 3 a 2 contra o São Paulo, e na rodada final com sede de vingança o Corinthians vence por 2 a 1 a Portuguesa e consolida-se como o maior vencedor desta competição, haja visto que a série estava empatada com o Palmeiras que havia chegado a dois títulos na temporada anterior.

1948 – Taça Cidade de São Paulo

Assim como o Bicampeonato de 1942 e 1943, o Corinthians repetiu a dose conquistando outro Bicampeonato, desta vez, devidas conquistas em 1947 e 1948. Neste ano os participantes foram Corinthians, Palmeiras e Portuguesa de Desportos.

Na estreia o Corinthians venceu a Portuguesa por 3×2, depois de estar perdendo por 0x2. Na sequência, precisando apenas de um empate contra o Palmeiras que havia sido derrotado por 4×1 contra a Portuguesa no “Clássico das Colônias”, o Corinthians sofreu a sonora goleada de 6×0 no “Dérbi Paulista” disputado em 25 de abril de 1948. Desta forma, da mesma maneira como no ano anterior, o torneio precisou ser decidido em dois turnos, aliás, foram as duas únicas vezes em toda a história da competição em que isso foi necessário.

Na primeira disputa do returno, o Corinthians venceu a Portuguesa por 2×1 e como na rodada seguinte o Palmeiras empatou com a Portuguesa em 3×3, o Corinthians entrou em campo contra o Palmeiras precisando, assim como no turno, apenas empatar com o arquirrival alviverde para ser declarado o campeão.

Foi o que aconteceu. O dérbi paulista decisivo terminou empatado em 1×1 no dia 8 de maio de 1948 e com este resultado, o Corinthians conquista a Taça Cidade de São Paulo pela quarta vez ficando a um título da posse definitiva do troféu.

Vale ressaltar que dos quatro títulos da Taça Cidade de São Paulo que o Corinthians conquistou até o momento, somente na edição de 1947 (contra a Portuguesa) o título não foi decidido em um dérbi paulista. Em todas as demais, o Corinthians venceu seu maior rival, conquistando assim, dois bicampeonatos (1942/1943 e 1947/1948).

O Corinthians também havia conquistado contra o até então Palestra de São Paulo o Torneio Quinela de Ouro de 1942.

1949 – Taça R. Monteiro

O  Torneio Pentagonal Rio-São Paulo/Taça R. Monteiro ou ainda “Torneio-Relâmpago do Futebol”, como também foi chamado, foi um interestadual onde apenas o Fluminense participou da competição representando o estado do Rio de Janeiro. Representando o estado paulista disputaram a competição, Corinthians, Palmeiras, São-Paulo e Portuguesa de Desportos.

O Corinthians foi “campeão” em partida contra a Portuguesa no dia 16 de janeiro após golear o rival por 5 x 1 no Pacaembu.

Corinthians e São Paulo terminaram empatados em pontos, mas o jogo-desempate não foi realizado.

No próximo post irei detalhar todos os títulos conquistados pelo Corinthians em sua ” ERA DE OURO” no estádio do Pacaembu nos anos 50.

VAI CORINTHIANS!!!

Escrito por